quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Music interpretation: Fall out boy - I am like a lawyer with the way i am always trying to get you off (me & you)

This song is an intelligent construction that talks about personal and pessimistic feelings, evolution and, of course, about a love relationship. Fun fact: the lawyer in the title is related to the capacity of manipulating things, people and events, giving them new meanings and interpretations.

"Last years wishes are this years apologies
Every last time I come home
I take my last chance, to burn a bridge or two
I only keep myself this sick in the head
'Cause I know how the words get you' (off)"

 The singer starts the song talking about how the last year’s wishes, the last year’s resolutions for life and the ideas to improve it, become the excuses of this present time; as an example of that, we can say that the person in this song wished to be more intelligent, as a path to do so he thinks about reading more, but, at the end, he just did not do that, then this resolution becomes his actual excuse, becomes something that he just regret about and have to use apologies to justify this failure in attempting something that he impose to himself. In this sense, he says that he is constantly deconstructing an image of a lover, that he had in his head, he also is saying that he keeps this troubled thoughts about a person in his head because he is able to let it go, to put it aside. (in this case he makes the reference of the title of the song, saying that he is like a lawyer, he can manipulate the reality and change aspects of it, giving new interpretations that allow him to change thoughts and impression and wishes, etc.)

"We're the new face of failure
Prettier and younger but not any better off
Bulletproof loneliness
At best, at best"

He starts to talk about how them are the new face of failure, being this failure related to their parents, and the bad habits and bad choices of them, this bothers the person who is talking about all that. At the same time that he despises their parents characteristics, he realize that he is not so different of it, just another face of this failure, only younger and prettier, but not different. At the same time, he talks about his ability of being indifferent to loneliness, his great capacity of not carrying about being alone.

"Me and you, setting in a honeymoon
(If I woke up next to you, if I woke up next to you)
Me and you, setting in a honeymoon
(If I woke up next to you, if I woke up next to you)"

In the riff he comes back to his lover, and starts to imagine about being with her, to spending time with her…

"Collect the bad habits
That you couldn't bear to keep
Out of the woods, but I love
A tree I used to lay beneath
Kiss teeth stained red
From a sour bottle baby girl
With eyes the size of baby worlds"

He starts to talk about the person who is in his mind, who are the content of his thoughts, he talks about how he loves her bad habits, that she tries to hide but that she cannot. He keeps saying how he likes her, and he compares her to a tree in a wood, the one who is sour bottle – a term that we can translate as being a sincere, with a huge imagination and complex – baby girl, with big and interesting eyes, who attracts him and makes him be amazed.

"The best way to make it through
With hearts and wrists intact
Is to realize two out of three ain't bad
Ain't bad (I’m like a lawyer)"

At the end, he says that the best way of getting along with this love story, to be okay with that and to not think about suicide – keeping the wrists intact -, is by realizing that two out of three is not a bad thing. This comparison is related to a famous study about love, that talks about the 3 characteristics of love, the first one is passion, the second is intimacy and the third is commitment, because of the song we can presume that they have the first ones aspects of love but they don’t have the third one, a thing the singer thinks isn’t bad. 

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Music interpretation: Fall out boy - Moving pictures

This song talks about a person who cannot stand anymore to be around someone who he used to love before.

"last night I saw a movie
and I thought about many movies I’ve seen at your house
excuse me if I’m rude
but I’d rather that we just strike from the record, ones I’d see again without you
leaning on my shoulder
distracting me from the plotline"

At the beginning the person who is singing talks about a movie that he saw last night, this movie makes him remember about many movies and things he used to do with an old friend. At the same time, when he is remembering nice moments about being with this person, being around this person, he also is thinking about how stressful and painful become being around this person; this duality seems to be more close to the despise, and we can notice that when the person who is singing talks that he’d prefer to erase this memories, because now he prefer to watch this things without this old friend. Even wishing to forget everything about this person, he end up remembering scenes with his friend when they watched movies together; he remember how this person lean on his shoulder and distract him from the plotline…

"where can I go when I want you around
but I can’t stand to be around you
'go home'
I'll walk myself to you
I'll walk myself away from here"

He keeps saying how he feels about this duality of his feelings towards a specific person. He is confused about his wish to still want to see and be around the old person, that is combined, at the same time, with a wish to stay as far as possible of this same person. When he thinks like that, he cannot know what do, or where to go; he says that when he feels like that he should go home – in this case home is related to a safe place, somewhere nice and secure and happy -, then he say that he goes toward the person – as a reference to home – and after that he says that he goes away from this person – also as being a reference of going home.

"'go to hell' is all I thought for seven weeks
but I grew out of that phase looking at these broken photographs of people
looking glossed just like a summer ago"

This confusion irritates him, at the same time, he is upset about thinking only about it for seven weeks, for a long time. After this “waste of time thinking about an old person and now unreal”, he says that he got over this phase of look back to broke photographs of people, he got over thinking about people who exists only in his imagination and not in the real life anymore. He is tired of looking to people who was special and incredible – as if they were glossed – and are not like that anymore.

"'call me back' i'm pleading with a cork in my head
it wouldn't be the first time
my pillow has been mistaken"

After talking about all these disturbed thoughts, about this double thinking, he wants this persons to come around again, to come back as the way he remember. He wants this in despair, away from the person while he is going to sleep and has only the image of the person in his imagination, saying that this wouldn’t be the first time when he wanted that, and that he was mistaken, that he is wrong about having bad thoughts about how this person becomes insipid.

"can't stand to be around you
around you, around you
cant stand to be around you
cant stand, I cant stand
to be around you"

Even after thinking in despair - remembering the person that exists only in his imagination - about how much he must be wrong about hating the person he used to love, he says that he tried to see this person, and outside his imagination he just cannot stand to see this person, he cannot stand to be around her anymore.

Music interpretation: The 1975 - This must be my dream

"I personify the adolescent on a phone
Speaking like I'm bigger than my body
I personify that lack of freedom in your life
And I'm sure she'll be gone in a second"

The first sentence of the song is related to the imagination of the person who is singing, in his head he creates a figure of a young girl speaking at the phone, saying that she is bigger than her body; this phrase is related to think about goals and capacities that are way bigger than our bodies or physical limitations. At the same time, the guy also thinks about the lack of freedom of the person who is the reference for the girl he created in his mind, in the real life this person has many limitations and incapacities, but all these things that hold and creat limitations, to the real person, will be gone in a second, because in the imagination all these limitations can be destroyed, allowing the development of someone bigger and stronger than ever. 

"Let me tell you 'bout this girl
I thought she'd rearrange my world
Takes a particular type of girl
To put my heart under arrest
So why is this feeling on my chest?"

He keeps talking about this girl in his imagination; in his mind he thought that she could rearrange his world, could give him coherence and a well defined structure of his world, of his thoughts, destroying doubts and, consequently, the despair. While he is thinking about this kind of girl, who can do such things, he starts to think about previous girls who did that with him, he came to the conclusion that it takes a rare and special type of girl to make he feels like that, to allow him to direct his mind towards someone, to creat an illusion based on a person; the rarity of this occurrence makes him doubt of the reality of this feeling, of his mind developments.

"(This must be my dream)
Wide awake before I found you
(This must be my dream)
I can't wait for you boy
(Wake me from my dream)
What does all our love amount to?
(This must be my dream)
We can't make love when you fly around me baby"

After questioning himself, he came to the conclusion that this must be only a dream, that this must exist only in his mind, only in his deep and unware thoughts. He also starts to questioning about what this love is equivalent, what this really means. At the end he came to the conclusion that he cannot have a relationship with this girl, because she is just flying around him, she is not real and exists only in his imagination.

"Pipe down, you're no lover
This feeling keeps your body tune
Well, I thought it was love but I guess I must be dreaming
'Bout feeling something instead of you"

He keeps saying to himself to calm down, to let it go, because is not real, but, despite the unreal aspect, this feeling is able to keep his body tuned, makes him feel better. He thought it could be love, but maybe he just created a huge and unreal character in his mind, taking as reference someone that is not equal to the person created, his "ghost" is not equivalent to the real person.

"What did I tell you 'bout this girl?
The one to rearrange your world?
You got excited and now you find out that
Your 'girl' won't even get you undressed
Or care about your beating chest"

He starts to question what he could tell about the girl who he created in his mind, the one who could be able to make him feel better, who could rearrange his world… he says that she makes him fells better at the beginning, but after the discovery of the unreality of this thought, of the incapacity of the girl in his imagination to care about him, to really be around him, to touch him, he just deconstruct what he was feeling, he just don’t care and doesn’t believe in his deep creations and interpretations, and put his effort in letting aside this feeling and this unreal interpretation. But even knowing all that, he probably cannot forget it, he cannot just let it go.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Sobre a cultura organizacional

           Na última organização onde trabalhei, a cultura organizacional era quase que absolutamente informal, sem que ninguém se preocupasse em defini-la ou regulá-la com precisão. Entretanto, mesmo com essa ausência de controle, em um parâmetro fundamental de uma empresa, todos os colaboradores seguiam normas que eram compartilhadas por todos. A palavra Deus era usada por todos, constantemente, sendo eles incapazes de definir com precisão o que aquilo queria dizer, mas que, de alguma forma, trazia conforto e satisfação quando pronunciada. As pessoas tinham como principal objetivo o sexo, e todos valorizavam isso acima de tudo; no entanto, essas mesmas pessoas associavam o acúmulo de capital a oportunidades de transarem com pessoas melhores, e isso fazia com que elas se dedicassem a seus trabalhos, assiduamente, pois pensavam que promoções e aumentos lhes proporcionariam mais, e melhores, oportunidades de sexo. Essa mentalidade básica, que era seguida por todos, sem exceções, era explicita naqueles que eram chamados de “peões” e implícita, floreada e disfarçada, em pessoas que ocupavam cargos que exigiam maior esforço intelectual. Aqueles que conseguiam disfarçar bem sua sexualidade exagerada e doentia eram tidos como sendo educados e inteligentes. Um dia, um desses seres “super-educados” disse que leu um livro de Freud; todos do seu setor ficaram curiosos e o consideraram como sendo um dos poucos homens que havia lido aquilo que consideravam como sendo uma espécie de “bíblia contemporânea”. Em uma outra situação, um homem disse que havia ido na igreja; ninguém entendeu o que queria dizer aquilo, então o homem tentou explicar o que era: “Ah, eu fui por curiosidade, achei que era uma espécie de museu; chegando lá peguei um papel na porta, que era tipo um itinerário, com músicas e textos. Um homem com uma roupa esquisita ficava lendo um livro para as pessoas. Lá dentro pude ver umas imagens e estátuas legais, mas quando tentei andar pelo local, para vê-las melhor e mais de perto, percebi que as pessoas, pelas suas reações, não aprovavam essa minha atitude, então retornei ao lugar onde estava sentado e fiquei imitando o que todos à minha volta faziam.” Tudo mundo continuou olhando, meio sem entenderem nada; então alguém falou: “Esse local pode ser considerado como sendo um de clube do livro.” Aquele que havia ido à igreja pensou por um momento e disse, logo em seguida: “Você tem razão, é exatamente isso. Um grandioso clube do livro.” Todos acharam aquilo interessante; o mesmo homem que havia definido aquele local como sendo um clube do livro disse: “ E ainda dizem que a literatura está em baixa hoje em dia.” Todos riram e voltaram aos seus afazeres.

Não confie em ninguém

             A empresa Oleto se preparava para um momento crucial de sua breve existência. A sociedade limitada, que foi fundada há 7 anos e era especializada em processos de automação inovadores — sendo a logística ousada, que integrava vários setores da empresa, o principal diferencial. Mesmo com essa vantagem comercial gritante, que reduzia em larga escala o tempo de realização dos serviços, a empresa vivenciava um momento tenebroso.
            A ampliação de um dos setores, durante um momento econômico de recessão prolongada, havia reduzido drasticamente o caixa; atrelado a essa redução exagerada, a companhia não conseguia atrair novos clientes, novos projetos, fazendo com que os fluxos de caixa se tornassem cada vez menores, obrigando os dirigentes a realizarem massivos cortes de gastos, que incluíram demissões, reduções de cargas horárias, racionamentos e reengenharia de processos.
            Mesmo com a redução dos gastos, a empresa não conseguiria se manter viva por muito tempo. A única esperança consistia na entrada de um grande serviço, que estava sendo orçado e exigia muito esforço por parte da reduzida equipe da Oleto.
            O possível cliente, que era uma multinacional de destaque, deixava clara a realização de múltiplos orçamentos, com diferentes empresas. Esse fator aumentava, por si só, o nível de exigência requerido aos funcionários. Entretanto, para agravar ainda mais o estresse que a situação gerava, o possível cliente exigia a realização de tarefas e apresentações periódicas, sendo elas as principais responsáveis por determinar quem iria produzir o serviço grandioso.
            Os setores de programação e hardware se preparavam para uma apresentação conjunta, de extrema importância, que, de acordo com os representantes da multinacional, seria a etapa decisiva em se tratando da escolha do fornecedor.
            O setor de programação possuía dois funcionários: 1 dirigente e 1 engenheiro elétrico; muitos dos trabalhadores do setor tinham sido demitidos, todos sendo indicados pelo dirigente. Os primeiros dispensados do setor foram aqueles que não compartilhavam das ideias do dirigente, de suas aflições e ódios. O único funcionário remanescente era alguém que compartilhava das crenças e pontos de vista do seu superior imediato. Os dois desprezavam o dirigente do setor de hardware, sendo esse desprezo agravado em função da possibilidade de promoção, para o cargo de diretor de processos, que estava vago e poderia ser preenchido em um momento futuro, onde a situação econômica fosse melhor.
            Rodrigo, o dirigente do setor de programação, admitia a superioridade hierárquica de seus dirigentes. Ele atribuía essa superioridade a oportunidades de estudos, as quais ele não teve, fazendo com que ele se conformasse com seu papel inferior; no entanto, ele constantemente se imaginava como possuidor de oportunidades similares, o que fazia com que, em sua imaginação, se tornasse superior a todos os dirigentes, fazendo com que desprezasse, até certo ponto, as posições de seus superiores, que, em sua mente, poderiam ser muito melhores. Apesar desse desprezo oculto, Rodrigo era solicito e sempre procurava agradar aos chefes, fazendo uso de expressões completamente artificiais que poderiam ser identificadas facilmente através de uma observação um pouco mais aprofundada. Ele mantinha tais relações com muita habilidade, sem que ninguém desconfiasse dos motivos egoístas de suas ações, que visavam nada além do que a autopromoção, nada além do que melhores oportunidades dentro da empresa. Essa constatação, por mais simples que possa parecer, não era obtida por ninguém, o que permitia a manutenção da estima dos dirigentes, em função de atitudes falsas e calculadas. As pessoas nunca prestam atenção em nada!
            A subordinação e aceitação de inferioridade com muitos deslocamentos, logicamente de Rodrigo se restringia apenas aos dirigentes. Em relação aos outros funcionários, ele não admitia se enxergar como sendo inferior. A todo o momento em que isso ocorria, ele se sentia muito mal e reduzido, fazendo com que se esforçasse ao máximo para desvalorizar aquilo que lhe causava dor. De posse dessa característica intrínseca, ele era exímio na tarefa de reduzir e desprezar os feitos alheios.
            O trabalho excessivo, para a preparação da apresentação via videoconferência, havia desgastado João, que sofria com problemas de saúde. Essa debilidade inesperada fez com que ele tomasse uma medida drástica.
            Ele chamou Rodrigo em particular e lhe pediu um favor:
            “Oh, estou me sentindo muito mal. Você poderia me fazer um grande favor?”
            “Claro! É só falar. E, por sinal, gostei muito da sua camisa, a cor é muito bonita, e os detalhes são harmoniosos, além disso, ela parece ser muito confortável. Onde comprou?”
            “Obrigado! Comprei em uma loja no shopping, depois te passo o nome dela.”
            “Ah, muito obrigado. Seria muita gentileza de sua parte. E me desculpe pela interrupção, não pude evitar deixar de fazer tal observação de algo que me agradou bastante. Por favor, continue com o que queria me falar.”
            “Oh, claro... Eu pensei que poderia aguentar até a apresentação, mas vejo que me enganei em pensar dessa forma. Sinto, nesse momento, que preciso, urgentemente, ir ao médico. Tenho medo de que não consiga voltar a tempo para a apresentação. Gostaria de informar a algum dos dirigentes sobre essa situação, mas nenhum deles se encontra presente no momento. Tentei até mesmo ligar para um deles, mas deu ocupado, acho que eles também estão se preparando para a apresentação...”
            “Você tem certeza que não consegue aguentar até a apresentação? Você não me parece tão mal, e sei que é forte e pode aguentar até lá.”
“Bem que eu queria, mas é impossível, não estou me aguentando em pé.”
“Isso é uma pena! Em relação aos dirigentes, fui informado que eles estão em uma reunião particular, elaborando algumas estratégias para conseguirem, na videoconferência de hoje, fechar o serviço. Acho que você não deveria incomodá-los.”
“Entendo... Acho que você tem razão.”
Ele olhou receoso para Rodrigo, e, após um breve momento de hesitação, disse:
“Meu amigo, eu realmente preciso ir ao médico. Se eu não voltar a tempo, você poderia fazer a minha apresentação? Sei que é pedir demais, mas a situação é urgente.”
“Não se preocupe, amigo. Farei isso por você. Antes, gostaria de saber se preparou algumas referências impressas para a apresentação, Assim como também gostaria de saber se sou o único a ser informado dessa sua partida inesperada.”
A expressão maliciosa de Rodrigo era gritante, mas não pôde ser percebida por João, que era incapaz de relacionar algumas características a determinados pensamentos e possibilidades, o que fazia com que os aspectos mais chamativos e perigosos permanecessem incógnitos.
“Oh, meu amigo. Muito obrigado, muito obrigado mesmo! Eu separei algumas folhas que estão na minha mesa e deverão ser utilizadas como referência para a apresentação. E sim, você é o único a ser informado sobre isso; tentei aguentar até a apresentação, mas vejo agora que não consigo, e que essa foi uma péssima ideia, que fez com que eu me desgastasse ainda mais. Essa minha tentativa me deixou ainda pior, fazendo com que eu não mais seja capaz de aguentar nada, estou muito mal, preciso urgentemente ir ao médico. Você poderia avisar aos dirigentes sobre isso? Você acha que pode realizar a minha apresentação? Ela é de suma importância para o...”
Rodrigo o interrompeu e disse com convicção:
“Pode deixar comigo, João. Conheço o suficiente sobre o seu setor para ser capaz de realizar a apresentação. Além disso, trabalhamos muito tempo, conjuntamente, em nossas apresentações, aspecto esse que me permite apresentar o seu trabalho, assim como lhe permitiria apresentar o meu.”
“Isso é verdade.”
Respondeu João, mais aliviado.
“Agora que já resolvemos esse assunto importante, acho que você deveria ir, imediatamente, ao médico. Sinto muito em dizer isso, mas, realmente, você parece estar muito mal. Pode deixar que avisarei a todos sobre sua ausência”
“Você tem razão, Rodrigo. Nem ao menos consigo me aguentar de pé. Vou imediatamente ao médico, até mais. E, mais uma vez, muito obrigado.”
João saiu apressado, enquanto Rodrigo permanecia imóvel, absorto em pensamentos intermináveis. Aquilo que se desenhava à sua frente parecia ser a situação ideal, com a qual ele sempre sonhara. Em sua mente, ele se deparava com a oportunidade ideal para desmoralizar João e torna-lo um personagem secundário na disputa pelo cargo de diretor de processos.
Ele já havia imaginado todos os aspectos que o beneficiariam. Ele iria fingir-se surpreso, assim como todos os presentes na apresentação, com a ausência de João. Ao mesmo tempo, ele planejava tentar realizar a apresentação alheia, com isso mostrando comprometimento para com o projeto, característica essa que ele iria se esforçar para mostrar que o outro dirigente, que se ausentou, não possuía.
O plano inescrupuloso deveria ser muito bem executado, pois qualquer falha poderia fazer com que tudo aquilo se voltasse contra ele.
Mesmo com uma grande possibilidade de erro, Rodrigo se sentiu confiante, e encarava aquela situação como sendo a oportunidade perfeita, e única, podendo até mesmo resultar na demissão de João. A época tenebrosa pela qual passava a empresa não descartava tal possibilidade. Em sua mente uma linha de pensamento o encantava: “Muitos funcionários foram demitidos sem nenhuma falta grave, imagine o que ocorrerá, nesse momento delicado pelo qual passamos, com um funcionário que comete uma falta grave, ainda mais relacionada com o projeto mais importante da existência dessa empresa. Com certeza ele será demitido e eu não mais terei concorrentes para a posição de diretor de processos”.
Esses pensamentos percorriam, incessantemente, a sua mente.

Naquela noite, durante a videoconferência, Rodrigo apresentou sua parte do projeto e tentou apresentar a parte de João, sempre salientando a falta de respeito do colega em não o avisar sobre sua ausência. A todo o momento ele salientava o fato, fazendo com que os dirigentes, que estavam presentes na apresentação, se sentissem ainda mais inconformados com aquela ausência inesperada.
Os representantes da multinacional se sentiram incomodados com a ausência, considerando-a como uma falta de comprometimento imperdoável, que colocava em dúvida a capacidade da Oleto em cumprir as tarefas que deveria executar para a realização do grandioso serviço, sendo essas suspeitas suficientes para abalar a confiança e, consequentemente, a possibilidade de realização de negócios.
Essa característica fez com que a ausência de João fosse agravada ainda mais.
Ao mesmo tempo que a Oleto perdia sua principal chance de salvação, Rodrigo se esforçava para deteriorar, ainda mais, a imagem do colega, que, após retornar à empresa depois de alguns dias internado com pneumonia, se tornou absurdamente abjeta.
            Mesmo com suas tentativas esforçadas de defesa, a mentalidade dos dirigentes já estava decidida. Em função daquilo que consideravam ser uma ausência sem aviso prévio, sem qualquer tipo de comunicação a quem quer que fosse, em um momento de extrema importância para a empresa, e que comprometeu um projeto importante, João foi demitido e o seu setor foi integrado ao setor de programação.

A tale about love and stupidity

           She always been an unusual girl, obscure. On her face was possible to verify that she was unable to control herself; this aspect was accompanied with a strong impression of a person who overflow, exhaling an intense energy, profound and savage, in all directions. The lack of illusions or a stablished structure, or way, made her able to see many aspects that were hidden to the other persons, because their illusions and well defined mental structures. This aspect made her extremely inconstant, mutable, mysterious and unpredictable, being dependent of the external environment do define her character, being a whole new person depending on each situation that she was facing. With this mutable aspect of her constitution, she constantly felt as if her world was falling apart; the absence of defined structures, of illusions and mechanisms that make feelings less intense, made her feel a deep strength, coming from the deepest spots of her mind, every time when she faced a new situation, or a deconstruction that destroyed her weak structures, her mutable structures, and made her feel low, feel bad, attribute that inspired her to change these obscure and terrifying scenarios that were formed in her mind. That strength was something that make people jealous, for sure; however, for a spectator who pays more attention was possible to identify a deep trauma, an unusual mental constitution, as the generator of all that wild impulse, of all that will. It seemed that she possessed a rare ability that I have never seen before; her mind had kind of a huge capacity of imagination, an incredible ability of giving a rational interpretation to many of her deep feelings, attribute that make her deconstruct every well directed and strong unconscious conceptual construction in her mind, making her face the reality without illusions or ideas that make things easier and less intense. Her energy was created by scary scenarios, by hurtful memories, and has as a goal changing everything that bothers her, transforming the painful scenarios.  Every new activity, every new attempt, was seen, by her, as a chance of salvation, as an opportunity to change everything that terrifies her. Everyone should have the opportunity to see her, to see her capacity of trying, that was almost unbelievable; constantly I saw her body full with cuts, bruises, burns and injuries, all in function of her intense attempts, or, to be more precise, almost everything.
            Some of her scars and bruises were not descendant only of her untamed will; and it seemed almost unbelievable for a girl who loves to be alone and who pushed away, wisely and carefully, everyone who tried to know her better, who tried to approach her, motivated by her special aspects that in the minds of the admirers make them imagining as being owners of these characteristics that make them felt more potent and strong as never before that a few hurts on her body were caused by people who were next to her. I have never saw someone being so hated, it is serious, and the reasons for that were vast and multiple. In the first place, people around her hated her almost unconsciously, these sensations came as if they where something profound and mysterious, as a strong feeling that they did not have enough imagination and a logical capacity to measure with precision, to bring out from the dark corners of their minds and to set in a more illuminated spot, making them acting in function of these unconscious feelings and interpretations without being able to measure, control and change them. When she entered in any place it seemed as if she was kind of a wrecking, a wild destruction capable to pulverize any well directed mind structure; only with her intense and unique way of being she made everyone starts to question their most profound illusions, that even with a small touch of doubt made people desperate, making them hate, intensely, what started this despiteful feeling. In other persons, her unusual way stimulated an intense curiosity, a deep and strong admiration; she, that presented a constitution absolutely new, cannot be defined with precision by anyone, this happened in function of the lack of similar references that could be used as a base for a possible classification; without an usual reference she was developed only by other’s people imagination, that we all know that are unreal and exaggerated, making her become an intense and beautiful symbol, that promised unimagined rewards in the deepest spots of other people’s mind; and the common sense have the courage, the ignorance, to say that beauty is only a symmetric  facial traits, or a body that is the latest trend… This reason, that only seems to stay away from a profound hate, made many people try to talk to her, to know her, and they were rejected, rapidly, by that different and special person. The motivation for these rejections was obvious: Those people were limited and cannot proportionate nothing to a person like her; their lack of imagination, that make them susceptible to things that people say to them as being the truth about the reality, made them had a small mind, that only could have simple and superficial interpretation about feelings and things; in this aspect, they always found the sexuality as being their most strong impulse and motivation, making them imagining everything as being a sexual relation to them,  this characteristic make them not dig their minds in a more deep and multiple way, because of their well directed concepts that could only see thing in a sexual way and nothing else. Even with a polite rejection, she caused damages to the inflamed egos of her admirers; because of being in front of something far beyond their own capacity, their own being, these admirers felt reduced, being necessary, at any coast, deconstruct that intense image in their heads, that caused a huge bad sensation, making them felt low. This depreciation was executed efficiently by many people and, consequently, the blind, stupid and susceptible ones absorb every words said by damaged egos as if were unquestionable truths. To be more precise, these ridiculous people gave a connotation of certainty and truth to painful and insecure declarations of the admirers, making them becoming estimated by these old admirers by reassuring and confirming insecure concepts, about people that they never really interacted with. Another motivation for hate was brought by all that unusual impetus, all that beauty and intensity of that amazing person, that made people realize how much they were limited, small, unconscious, this sensation was abandoned with the depreciation and the hate against the one who started these feelings.
            The reunion of these reasons created a generalized hate that constantly made every action of the unusual girl be interpreted as being futile, stupid and evil, creating a bad interpretation for all her acts, being this bad interpretation created by the worst things that the haters could imagine. In these minds, that always run away from strong feeling, from guilty, the capacity to have bad feelings about other people are amazing, extremely well developed, making these persons to be able to imagine, rapidly, many bad aspects and motivation to anything, creating an awful connotation to whatever they want. In these unconscious minds this act of self protection were interpreted in a wild way, acquiring huge and unreal proportions, making the act of hating someone or some idea even more intense, even more dangerous to the people that they don’t like, to the ones who make them felt bad about themselves. Remembering some moments, I feel amazed to know that she is still alive; I will never forget when five girls tried to beat her and, even after being stabbed by one of the aggressors, she passed out three of them and made two other girls run away desperately.
            This last story was extremely unusual and dangerous, demanding, for sure, an intervention coming by me, the only person truly capable of realize all her rarity and all the perfection of that girl, but that I felt incapable to do. This incapacity was not descendant of cowardice or anything like that, but was fruit of a delusional curiosity, of an intense will to know the truly dimension of things, their real aspects, exploring these things by experiences, feelings, and organizing and giving meaning with my imagination and my logical capacity; having this profound will, primarily I destroyed my ego, that made me keep distorted interpretation about the reality, and, consequently, I struggle myself to live uncommon and intense situations, many times creating them by myself, waiting that with this I could be able to made a profound and essential discovery. In that time I was young and hopeful, and thought that I possessed a powerful brain, capable to interpret, to imagine, to reunite the truly dimension of my feeling and things around me… Ah, sweet illusion. That fight was only one more occurring that I cannot measure with precision, one more experience that was inutile, that did not reveal nothing and almost cost the life of the person that I like the most…

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Minhas impressões sobre o livro: A teoria do romance

           Passo agora a me concentrar em lhe descrever minhas impressões sobre o livro de Lukács, que me deixou decepcionado, fazendo, até mesmo, com que eu riscasse uma de suas obras de minha lista de leitura, por não mais considerá-la como sendo capaz de acrescentar muitas coisas — sendo o meu tempo para a leitura um tanto escasso não posso me dar ao luxo de ler obras que sinto não poderem me acrescentar e ajudar muito. A obra em questão é: A ontologia do ser social, podendo eu deduzir como sendo o livro onde Lukács diz ter encontrado as respostas que faltaram na teoria do romance, que, no entanto, são evidentes, sendo elas direcionadas ao materialismo, o que me fez deduzir que em sua obra posterior o autor torna-se capaz de capturar o espírito do nosso tempo através de uma perspectiva materialista, aspecto esse que é absolutamente correto, completamente gritante e descaradamente evidente, mas que não me ajuda a desenvolver minhas ideias, que se encontram em esferas mais profundas e fundamentais da nossa constituição.
            Ao mesmo tempo que Luckács parece se esforçar para formular conceitos, que são evidentes por si próprios, praticamente gritantes quando observamos as pessoas e suas motivações, e não exigem muito esforço de observação, gostei, até certo ponto, do modo como o autor traça a evolução de modelos literários predominantes em cada época, que vieram descambar, segundo o autor, no romance moderno, onde tudo é desconstruído e não resta mais nada de concreto. Na evolução cronológica, traçada pelo autor, ele generaliza e comete erros; diz que antigamente existia a tragédia, onde o herói enfrentava muitas dificuldades, mas que internamente eram irrelevantes, pois os protagonistas possuíam um conteúdo conceitual forme e inquestionável, que os direcionavam , sem maiores problemas, por essas empreitadas; posteriormente veio o romance romântico, onde o herói passa por períodos conturbados, onde a incerteza é eliminada com a estruturação de conceitos exatos, que passam a direcionar o protagonista — caso esse que considero como sendo o estilo do meu primeiro livro —; e, alcançando aquilo que o autor diz ser o momento literário contemporâneo, encontramos o modernismo, ou o romance moderno, onde nada sobrevive, onde tudo é destruído e se renova a todo o momento. Ao meu ver, essa definição é errônea. Através dos tempos, grandes autores modernos escreveram em períodos de predominância romântica ou dramática, assim como obras românticas e dramáticas ainda existem em nosso mundo contemporâneo.
            Desse modo, podemos dizer, sem titubear, que no mundo existem infinitas perspectivas, sendo que o modernismo existiu na tragédia e no romance romântico, e vice-versa, cabendo apenas aos detentores de poder determinar conceitos vigentes, aquilo que deve ser seguido e valorizado em detrimento daquilo que deve ser desestimulado e marginalizado. Essa perspectiva me deixa um tanto triste, até certo ponto, pois me faz imaginar em quantos grandes livros foram simplesmente descartados e nunca publicados, ou analisados por um grande público, por causa de suas inadequações aos parâmetros vigentes, à estrutura e à forma vigente de se enxergar e interpretar as cosias. A investigação da determinação dos valores vigentes, que é muito mais interessante, pelo menos para mim, e complexa, é deixada de lado pelo autor.
Ao mesmo tempo que uma questão importante é ignorada, considero que autor comete outro grande equívoco ao dizer o quanto a literatura faz uso da filosofia em suas construções, mas, mesmo com todo o empenho dos autores, não consegue fazer uso de praticamente nada que os conceitos filosóficos têm a nos oferecer. Essa afirmação me incomodou e foi mais uma generalização infeliz.
Podemos salientar o quanto Tolstói faz uso de conceitos elaborados por Espinoza ou o quanto Dostoiévski faz uso de ideias de Schopenhauer mas não é capaz de elaborar histórias que contenham a vastidão conceitual do filósofo alemão, assim como podemos citar vários exemplos de autores que fazem uso de apenas uma simples interpretação ou conceito de uma grande filósofo para desenvolver toda uma história. No entanto, deparamo-nos, muitas vezes, com autores que abandonaram a filosofia e se dedicaram exclusivamente à literatura, por considerarem a segunda opção, e somente ela, capaz de transmitir e relatar experiências que o formato do texto filosófico de suas épocas era incapaz de mensurar e estruturar, o que os possibilitou criarem obras que servem de referência para a elaboração de teses filosóficas, atributo esse que torna a generalização de Luckács ainda mais descabida.
Entretanto, o livro tem lampejos realmente interessantes, que nos conduzem diretamente a questões contemporâneas, a problemas que a cultura da desconstrução incute em nossas mentes e não mais nos permite possuir uma vida saudável e eficiente, mas, infelizmente, tais questões, que realmente me chamaram a atenção, foram simplesmente abandonadas, deixadas de lado para a continuação da exposição dos formatos literários.
Essa omissão fez com que eu ficasse um tanto irritado, mas, ao mesmo tempo, me agradou, por fazer com que percebesse que meus escritos e propostas não são inteiramente descabidas, e tratam de assuntos que incomodam, até mesmo, grandes escritores.
Para externar com precisão minhas impressões acerca do livro, tentarei citar algumas questões relevantes que o livro suscitou em mim:
“Como recuperar a eficiência de um mundo bem estruturado em uma mentalidade que foi demolida?”
“Os livros de Tolstói parecem nos remeter à nossa natureza mais profunda, relatando experiências incríveis, como as reveladoras vivências de quase morte nos campos de batalha. Mas, no entanto, esses lampejos da verdadeira existência deixam muito a desejar, pois sempre são muito curtos e não nos permitem analisa-los com precisão.”
“Muitos livros são realmente perigosos; eles nos permitem desconstruir nossas lembranças mais entorpecedoras, fazendo com que sejamos inseridos em quase que um novo mundo, em um lugar desconhecido e doloroso, de onde corremos o risco de nunca mais sairmos, de nunca mais termos uma vida saudável.”
“Muitos escritores, que são considerados como sendo imortais e grandiosos, me parecem ser nada além do que homens superficiais, egoístas e incoerentes. Sinto que eles foram os responsáveis por fazer com que a religião, a cultura, se tornasse imprescindível para o ser humano, que, quando não abraça fortemente conceitos pré-determinados e limitados, se vê irremediavelmente desesperado, e sem alternativas, quando se depara com perspectivas novas, com novas associações e formas de ser, fazendo com que aqueles que experimentam sensações novas, ou até mesmo se arriscam em direção à descoberta de novas paragens, tornem-se os religiosos, ou os seres sociais, mais adeptos e fervorosos. Isso me incomoda muito, e, desde sempre, me vi imbuído da tarefa de ser o responsável por acabar com essa palhaçada ridícula.”
“Quando existiu uma paixão sensata e contida? Quando existiu um sentimento doloroso que não se amplia com o passar do tempo até se tornar alguma coisa completamente desesperadora? A resposta para essas questões é óbvia, sendo ela um categórico: nunca! Entretanto, essas questões iniciais levantam ainda mais questões... O que quer dizer aquilo que sentimos? Qual o motivo de muitos de nossos sentimentos e desejos?... Tais questionamentos nos parecem ser eternos, para sempre destinados a rondar nossas mentes, permitindo-nos encontrar uma infinidade de respostas plausíveis durante cada uma de nossas exaustivas investigações; entretanto, uma coisa me sinto seguro em dizer: Vivemos vidas cheias de som e fúria, que não significam nada.”
“Possuir um ideal inalcançável, capaz de estruturar e direcionar toda uma existência. Será essa a única forma de possuirmos uma vida saudável?”
A intenção do autor de sistematizar e de fugir de análises mais profundas, para não correr o risco de dizer coisas absurdas, me incomodou, podendo eu dizer que meu estilo é completamente diferente; sendo eu um Zé ninguém, sem nada a perder, escrevo sobre minhas sensações mais esquisitas, assim como tento explorar as sensações mais incomuns, profundas e afugentadas das outras pessoas, permitindo-me, apenas assim, elaborar os conceitos que, para uma mentalidade alienada e iludida, parecem ser os mais absurdos e incoerentes, afinal, todo conceitos elevado e exato foi, um dia, algo esdrúxulo e incompreensível, e isso não é de se espantar quando analisamos o quanto nossa cultura vigente é covarde e deturpa, de forma assustadora, a realidade em função da manutenção de interpretações artificiais e completamente incoerentes.
Mesmo me sentindo corajoso, e até mesmo inconsequente, quando me proponho a explorar algo, sinto-me sempre triste ao ler meus textos, pois acho que eles não são capazes de transmitir aquilo que enxergo, que sinto; essa sensação me incomoda e me faz questionar minhas empreitadas literárias, que parecem não surtir nenhum efeito em ninguém, sendo, dessa forma, uma perda de tempo, que poderia ser direcionado rumo a uma atividade mais relevante aos olhos das outras pessoas, que, por incrível que pareça, são incapazes apreciar e realmente valorizar o importante papel que tem a literatura em nossas vidas.
Sem defender nenhuma posição e escrevendo apenas por diversão, tenho apenas em mente o quanto alteraria minha escrita se tivesse pretensões acadêmicas, como as de Luckács; o que, mesmo assim, já é o suficiente para aceitar um livro um tanto covarde. Ao mesmo tempo, tenho de levar em consideração o quanto os livros de Luckács foram minuciosamente analisados e debatidos ao longo dos anos, fato esse que fez com que muitos de suas proposições, que a princípio eram originais e revolucionárias, parecem-me completamente batidas, nada além do que uma repetição enfadonha. Encontrando suas ideias em muitos outros livros posteriores, talvez tenha perdido o encanto de me impressionar com uma definição inovadora no livro que li; essa sensação foi por mim observada também no livro: Em busca do tempo perdido, que, de tanto ser analisado, usado como referência e citado, tornou-se um livro simplório, onde as grandes descobertas do autor tornaram-se banais, corriqueiras e incapazes de justificar a dedicação a uma leitura extensa.
           Para finalizar, essas foram algumas das minhas impressões com relação ao livro, sempre lembrando que a minha opinião é a de um leigo, que não conhece profundamente Luckács, nem suas obras e nem suas referências. 

Estrutura intrínseca do livro Laer Roma

               Para cumprir o que prometi, irei descrever, espero que de forma sucinta, como que estruturei o livro Laer Roma, que, como já disse, é muito mais profundo do que parece.
            Como você pôde perceber, o livro: O diário é uma continuação, ou, melhor dizendo, é um livro onde continuo a abordar, de um jeito mais profundo e original, muitas das ideias presentes no Laer Roma.
            Antes de iniciar a explicação, é preciso dizer que ambos os livros se tratam de alienação, de imposição social, que transforma as pessoas, fazendo com que elas absorvam conceitos responsáveis por definir tudo aquilo que elas sentem ou pensam. No primeiro livro, essa questão é limitada ao embate entre o agente responsável pela inserção dos conceitos vigentes —a mãe — e o indivíduo que assimilará tais conceitos, passando a possuir uma mentalidade específica e pré-determinada — o filho —; nesse processo comum, com o qual nos deparamos constantemente ao longo de nossas vidas, o filho deve abandonar qualquer tipo de particularidade para absorver aquilo que lhe é imposto. Nesse primeiro livro essa relação é ridícula, pois a mãe, sendo ela destituída de força de vontade, egoísta e restringida por suas ilusões entorpecedoras, é incapaz de representar um desafio à altura do protagonista, que a refuta sem nenhuma dificuldade, podendo ele, sem se ver obrigado a absorver nada, ser capaz de estabelecer associações próprias, estritamente relacionadas com aquilo que ele realmente sente e percebe.
            Para colaborar com essa batalha relativamente fácil, agentes externos e um pai autoritário também foram eliminados.
            No segundo livro, o ambiente torna-se mais amplo. A família do protagonista não é autoritária, não tem de ser combatida em busca de uma mentalidade própria; entretanto, a imposição social ocorre através das interações do protagonista em sua escola que tem o nome de Riulop, que ao contrário quer dizer poluir, representando assim uma instituição responsável por introduzir valores e definir um modelo específico, que deve ser valorizado por todos, sem exceções.
            A discrepância entre as interpretações do protagonista e os valores vigentes faz com que ele passe a se enxergar como alguém retrógrado, abjeto, por não se adequar àquilo que é estimado por todos, assim desenvolvendo uma má consciência a respeito de si mesmo e de suas atitudes.
            Em um terceiro livro pretendo explorar a interação entre o filho e um pai autoritário, mas esse é um projeto futuro...
            Voltando ao primeiro livro (Laer Roma), pode parecer estranha a data da história, que ocorreu em 1978, no entanto, essa data é fundamental para que eu pudesse alcançar aquilo que pretendia com o livro, que era a criação de uma ilusão por parte do protagonista.
            No segundo livro escrevo sobre o quanto a internet nos permite realmente desenvolver aquilo que antes era desenvolvido inconscientemente, apenas pela nossa imaginação mais irrepreensível e exagerada, dessa forma mostrando o quanto nossa vida é vazia, o quanto as recompensas impressionantes e os cenários suntuosos existem apenas na nossa imaginação, sendo esses exageros criados em função da falta de uma confrontação da realidade com aquilo que se passa na nossa mente. Dessa forma, foi meu desejo escapar de uma era digital, onde todo mundo encontra todo mundo, para que o protagonista desenvolvesse suas interações, com a pessoa que simpatizava, através apenas de seus desenvolvimentos inconscientes e exagerados, que, por fim, transformaram uma afinidade banal em uma ilusão exagerada e absurdamente intensa.
            No fim do livro, em meio ao auge de sua ilusão, o protagonista reencontra aquela que incita o seu ideal, sendo esse encontro cortado, propositalmente, pois a partir daí existirá apenas desilusão, o que não agrada as pessoas comuns, que estão a todo o momento em busca de uma ilusão, sendo o amor a maior dessas ilusões; lembre-se que o Laer Roma é um livro comercial, tem que estar relacionado ao que a maioria das pessoas almejam e àquilo que elas são capazes de assimilar.
            Utilizando conceitos cotidianos, tive de fazer muito uso da aparência física dos personagens, por ser esse um dos principais parâmetros em se tratando daquilo que uma pessoa é capaz de pensar sobre a outra. Também fiz uso de estereótipos, com os quais me deparo constantemente durante as conversas com as pessoas mais cegas e estúpidas, sendo elas, infelizmente, a grande maioria das pessoas que encontro; esses estereótipos fizeram com que eu abandonasse a necessidade de uma análise mais aprofundada e, ao mesmo tempo, foram os responsáveis por fornecer para o leitor a forma pela qual eu gostaria que eles enxergassem os personagens que compõe a trama: uma pessoa que valoriza sua aparência, a obtenção de músculos, como sendo alguém quase que retardado e incapaz de reflexões, pensamentos profundos e sentimentos intensos; uma mãe fútil que valoriza nada além do que seu status social e o dinheiro; uma menina estúpida, incapaz de elaborar conceitos próprios, tendo de assimilar tudo aquilo que dizem ser a forma correta de se interpretar as coisas e os acontecimentos. Além disso, tive que fazer com que o personagem principal fosse alguém rico, aspecto esse que também contribui para um julgamento positivo por parte do leitor, afinal, vivemos em um mundo absurdamente alienado, materialista e estúpido.
            Mesmo com um objetivo a ser alcançado, os personagens utilizados na história são, ao meu ver, rasos e mal elaborados, mas as pessoas gostaram, pelo menos me dizem isso Ha Há, e isso é o mais importante.
            Além dessas características cotidianas, também tentei salientar o quanto as pessoas são egoístas, assim como o quanto os governos e as sociedades são movidas por desejos e motivos egocêntricos, que não visam nada além do que benefícios próprios. Além dessa característica, tentei demonstrar o quanto nossa vida social, nossa vida cotidiana, é falsa, cheia de expressões dissimuladas, cheias de segundas intenções, que escondem verdadeiras impressões e motivações. Tentei externar essas referências de forma implícita, utilizando para isso os discursos da mãe e da Isabela; achei que para tanto não precisaria fazer uma referência muito profunda, por considerar ser essa uma característica muito comum, sendo as pessoas capazes de facilmente identificar tais aspectos.  Ao meu ver, essas características tão comuns são as responsáveis por afastar as pessoas de qualquer tipo de verdade sobre si mesmas, assim como as afastam de descobertas mais profundas. “A coisa mais perigosa é a mentira; o homem que mente acaba mentindo para si mesmo, até o ponto de não mais identificar qualquer tipo de verdade. Após isso, sem poder identificar motivos verdadeiros, ele se torna incapaz de amar, se torna incapaz de realmente enxergar, passando a viver uma vida absolutamente artificial e falsa, sem nenhuma relação com o seu verdadeiro ser.” Nesse contexto, tento, através do livro, valorizar a sinceridade, algo tão raro atualmente, assim como tento demonstrar o quanto uma constituição destituída de ego é capaz de fazer associações mais abrangentes e exatas, por ser ela destituída de algo a ser protegido, de algo que precisa ser estimado, aspecto esse que faz com que as pessoas egocêntricas tenham uma concepção completamente deturpada sobre as cosias. O personagem principal tenta demonstrar a supremacia de uma constituição destituída de ego e sincera, em detrimento de constituições dissimuladas e egoístas (como as de sua mãe e a da Isabela). Ao mesmo tempo que o personagem demonstra claramente sua discrepância, sua mãe acaba por identificá-lo como uma ameaça àquilo que ela é, fazendo com que ela se sinta mal perante um mundo sem ideais entorpecedores, passando a desprezar o filho, atribuindo tudo que ela considera como sendo as piores características, que uma pessoa pode possuir, à pessoa que ameaça seus ideais e desejos impensados e mundanos. Nesse caso, tento demonstrar o quanto a maternidade não é motivo suficiente para evitar um desprezo profundo, um ódio profundo.
            Em se tratando dos principais objetivos do livro, posso dizer ser a desconstrução de uma interpretação Freudiana a principal razão da minha empreitada em desenvolver a história. Não sei te explicar o quanto a perspectiva comum me enoja; as pessoas são incapazes de analisar o que quer que for, e, consequentemente, reproduzem, sem nem ao menos parar para analisar aquilo que repetem e valorizam, tudo aquilo que foi dito e imposto como sendo a verdade. Nesse mundo alienado e sem qualquer tipo de senso crítico, vejo Freud como sendo um dos autores responsáveis por definir os pilares da nossa cultura cotidiana, e, portanto, alguém a ser combatido, desacreditado, tendo como objetivo a destruição de regras e definições incoerentes. Meus estudos sobre as teorias Freudianas foram exaustivos, e seus textos são, em grande parte, muito incoerentes; mas, ainda mais distante do que muitas proposições inconsistentes do autor, vejo as pessoas como reprodutoras de tais conhecimentos, sendo elas incapazes de ler qualquer um dos textos e conceitos que citam, mas, ao mesmo tempo, possuindo uma vontade imensa de citá-los, incorporando-os a definições impensadas e ridículas, e isso é o que mais vejo atualmente. Essa vontade, essa necessidade, de citar o autor tem relação com a mistificação do mesmo como sendo a pessoa mais precisa, mais coerente, em se tratando de interpretar a realidade e a natureza humana, o que considero ser completamente equivocado, exigindo, por minha parte, um esforço literário para introduzir novas possibilidades e alternativas, que permitem que as pessoas possam refutar as limitadas teorias Freudianas, que, infelizmente, ditam a forma como as pessoas interpretam os acontecimentos atualmente. Para tal tarefa, que não foi fácil, fiz uso de escritores que refutam as bases das proposições Freudianas, sendo Jung o principal deles, utilizei-os para que pudesse adequar minha forma de pensar a modelos anteriores, que já haviam sido elaborados e que não parecessem absurdamente estranhos para as pessoas. Infelizmente, alguns desses conceitos, opostos aos conceitos Freudianos, possuem aspectos místicos, atributo mortal em nosso mundo moderno materialista, sendo essa outra razão para a publicação do livro, o estabelecimento de conceitos, antes místicos, inexplicáveis e raros, tendo como base aspectos realistas e palpáveis.
            Mesmo sendo essa uma razão suficiente, ao meu ver, para a publicação do livro, ela não foi a única, e, até certo ponto, foi um motivo quase que secundário. Aquilo que muito me motivou a escrever o livro foi a vontade de estimular as pessoas a desenvolverem seus próprios conceitos, suas próprias histórias, permitindo com que se tornassem independentes, donas do seu próprio mundo, não mais necessitando de instituições que determinem aquilo que elas devem pensar ou sentir; além disso, quis fornecer uma vasta referência literária, a qual não é encontrada durante o ensino médio, mas que, na minha opinião, é de suma importância em se tratando de elucidar questões pelas quais passam alguns adolescentes, sendo, até mesmo, imprescindível para um adolescente intelectual, que se depara com problemas intelectuais. Vi a necessidade de fornecer tais referências em função dos livros que fui obrigado a ler no colegial, sendo todos eles completamente inúteis em se tratando de fornecerem ferramentas que me ajudassem a resolver questões que me incomodavam, e servindo apenas para fazer com que eu repudiasse a literatura, por considerar que os livros eram sempre enfadonhos e desnecessários, atributo esse que é não correto.
            No manuscrito original é possível encontrar muitos e muitos erros gramaticais, de concordância, etc. Minha intenção era deixar clara a falta de conhecimentos gramaticais que, mesmo assim, não foi capaz de impedir o autor de desenvolver no papel as suas ideias. Essa característica, que permaneceu na versão final, tornando-se apenas menos frequente, tem como intuito incitar a sensação que tive quando descobri que Dostoiévski escrevia muito mal, que Bukowski escrevia como um semianalfabeto e que Rimbaud não se importava nem um pouco com a gramática, desde que suas ideias estivessem claras no papel; saber que esses grandes escritores não se importavam muito com a gramática fez com que eu abandonasse minha insegurança com relação ao uso correto da língua portuguesa, permitindo-me, somente após a superação desse medo paralisante, desenvolver minhas histórias e impressões, e é isso que almejei transmitir às pessoas que leram o meu primeiro livro.
            Quando jovem adquiri uma certa obsessão por livros que desrespeitavam regras gramaticais ou tentavam criar uma gramática própria, um sistema próprio de descrição e classificação das coisas. Esse ato de transgressão não era apoiado por ninguém, mas muito pelo contrário. Minhas tentativas exaustivas de abolir a crase ou de criar uma gramática sem ss, sc, c, ç, sem acentos, em vista de criar palavras mais fáceis e uniformes, com o intuito de diminuir o tempo que as pessoas gastam aprendendo o idioma e as permitir gastarem mais tempo com o desenvolvimento de suas ideias, eram tidas apenas como uma necessidade preguiçosa, o que era totalmente equivocado, sendo, pelo menos para mim, a adequação a regras anteriormente estipuladas uma atitude muito mais fácil de ser alcançada, quando comparada à criação de um sistema próprio e coerente. Lembro-me até mesmo da primeira vez que descobri que gostava muito de literatura, sendo essa vez uma conversa que tive com um amigo, que me disse que prezava muito mais os autores analfabetos, pois esses pareciam dedicar muito mais tempo ao desenvolvimento de suas ideias e impressões do que à maneira gramaticalmente correta de descrever aquilo que sentiam e pensavam, fazendo com que seus livros se tornassem muito mais completos e interessantes do que os livros de autores muito preocupados com a gramática, que pareciam dedicar muito mais tempo pesquisando a forma correta de se escrever, em detrimento do aprimoramento de suas ideias. Essas palavras, de um amigo meu, soaram, para mim, como um ato extremo de transgressão, que ia completamente contra tudo aquilo que eu havia aprendido como sendo literatura desde então. Eu via professores analisando autores apenas através da capacidade de seguir regras e escrever corretamente, sendo esse atributo colocado em primeiro lugar e eclipsando qualquer tipo de análise mais profunda dos textos, aspecto esse que me incomodava muito, exageradamente, exigindo, de minha parte, a necessidade de tentar mostrar que a literatura de verdade é muito mais do que um arranjo, embasado em regras pré-estipuladas, de palavras, é muito mais do que concordância ou ideias rasas e mal elaboradas; ela é, na verdade, um ato de transgressão, de verificação daquilo que nos é imposto, de criação daquilo que sentimos e percebemos, de identificação e de definição do nosso mundo; e foi esse tipo de literatura que pretendi externar no meu livro, fazendo com que as pessoas abandonassem aquilo que professores pedantes e burros dizem ser a verdadeira literatura.
            Tendo todos esses objetivos a serem alcançados, fiquei muito feliz por ter conseguido escrever um livro que relacionasse tais parâmetros que eram extensos, discrepantes entre si e me deram muito mais muito trabalho para relacioná-los de forma coerente , assim como me senti satisfeito por ser capaz de descrever uma a história sob a perspectiva de um personagem complexo, atributo esse que também não foi nada fácil.
            Em sua faceta mais sensível e profunda, o livro fala sobre amor e sobre aquilo que acho que as pessoas sentem, de acordo com livros e algumas poucas observações pois em Sertãozinho é impossível estimar intensamente alguém, as pessoas aqui são, em sua grande maioria, mega toscas, e aquelas que são um pouco interessantes são desvalorizadas pela grande maioria tosca, por não se adequarem aos parâmetros ridículos, e são deixadas de lado, ficam meio que desaparecidas, escondidas por aí. A princípio, o protagonista está apaixonado, deparado com uma sensação nova, que faz com que ele se sinta mais potente do que nunca, fazendo com que, consequentemente, ele se sinta muito bem e feliz; ao mesmo tempo, ele se vê receoso perante a valorização exagerada de uma pessoa em particular, de um objeto em específico, incitando-o a tentar desconstruir aquilo que é intenso e está se formando em sua mente — nesse caso, posso considerar essa como sendo mais uma característica intrínseca de uma constituição mais consciente, mais racional, e isso me deixa muito satisfeito, por ser eu alguém responsável por descrever mais profundamente tal mecanismo; sei que outros autores desenvolveram essa característica muito bem, considero Proust como sendo o melhor deles, mas, mesmo assim, fico feliz por poder abordar um tema que considero estar muito presente ao longo de nossas vidas, e, ao mesmo tempo, fico muito feliz por poder identificar mais uma característica da nossa razão pura, que no incrível livro de Kant foi especulada muito rasamente, definindo o menor esforço como sendo uma parte intrínseca do nosso ser, e parando, infelizmente, por aí; ou, melhor dizendo, posso considerar essa descoberta como podendo ser caracterizada como derivada de uma crítica da razão consciente, pois as pessoas buscam, avidamente, possuírem ideais e estruturas exatas, ilusões bem definidas e muito bem direcionadas, que as tornam absurdamente vulneráveis, em se tratando de quando se deparam com qualquer aspecto que ameaça tais ideais profundos, aspecto esse que não é encontrado em pessoas racionais, que ao perceberem algum tipo de construção exagerada tratam de alterar e afugentar tais parâmetros. Assim o personagem se esforça para desconstruir esse sentimento, relacionando-se com outra pessoa, que, em sua mente, será capaz de fazer com que ele desconstrua seus sentimentos intensos, que são direcionados a uma direção específica, atributo esse que o torna vulnerável, suscetível e fraco, não importando o quanto essa pessoa em específico o faça se sentir bem.
            Tendo essa perspectiva profunda instalada em seu intelecto, o personagem se sente satisfeito ao ler o livro de Schopenhauer sobre o amor, que lhe incita a ideia de que pode direcionar seus sentimentos para onde bem entender, sendo seus sentimentos relacionados a nada além do que desejos sexuais.
            Sua mente, que estava bem estruturada e tinha Ana como base dessa estrutura, sofre uma desconstrução completa no momento em que o personagem vai se encontrar com a Isabela, o que lhe permite sentir o nirvana (sensação essa que tentei descrever mais profundamente no segundo livro).
            Obtendo sucesso na tarefa de abdicar à sua construção intensa, ele continua a viver satisfatoriamente, sem saber que aquilo que o faz se sentir bem ainda está presente, influenciando-o, sem que ele perceba. Esse aspecto, que coloquei no livro, tem como intuito fazer com que as pessoas passem a questionar a sua capacidade de identificar seus verdadeiros motivos, seus verdadeiros desejos e estruturas mais profundas, que, na realidade, permanecem muito longe de qualquer percepção consciente, influenciando-nos, de forma intensa, sem que possamos identificar o que realmente é importante e essencial para nós. Essa característica nos remete a nossa constituição em grande parte obscura e inconsciente, sendo que podemos considerar que grande parte de nossas atitudes e motivos são misteriosos para nós.
            Ao perder aquilo que o agradava, ele mergulha em uma fase dolorosa, de desespero, que foi floreada no livro, diminuída, para não expressar sentimentos intensos, contra os quais as pessoas comuns se protegem desde sempre e, portanto, estaria muito aquém de suas realidades, não as permitindo compreender tais sensações. Nesse momento, finalmente percebendo aquilo que o influenciava profundamente, ele passa a desenvolver inconscientemente a ideia que Ana passou a representar em sua mente. A distância do objeto que passou a ser desejado intensamente só faz com que o protagonista exagere ainda mais em suas definições, criando, dessa forma, uma imagem completamente equivocada e irreal.
            Tornando-se uma ilusão exagerada, a Ana passa a representar algo que todas as pessoas ou possuem ou buscam avidamente, mas que, quase sempre, permanece oculto e muito longe de uma identificação consciente.
            Percebendo tais aspectos da nossa constituição, o protagonista consegue facilmente refutar aquilo que estava escrito na metafísica do amor, dessa forma refutando a base da teoria psicanalítica e se vendo no papel de definir uma nova perspectiva que realmente relacione aquilo que ele percebe, conduzindo-o à definição final do livro, que tenta estabelecer uma nova forma de enxergarmos as coisas e nossos impulsos profundos.
            Tentando explicar agora, vejo o quanto eu perdi o controle do livro, vejo o quanto eu ainda preciso melhorar e desenvolver mais satisfatoriamente os meus conceitos. Mas, mesmo com minha falta de habilidade, as pessoas gostaram do livro; e isso, digo novamente, é o mais importante.
            No final do livro, tentei externar uma nova forma de interpretar a psique humana e nossa necessidade mais profunda, e imprescindível. Essa parte final, que ficou confusa, tenho de admitir, foi como que um guia para o livro, sendo que sua existência é anterior a qualquer tipo de possível elaboração de um roteiro do livro, sendo ela utilizada como uma das referências, como um guia que me direcionasse durante a elaboração da história.
           Muitas pessoas dizem ser evidente a minha pressa, ao longo da história, em alcançar a revelação final, a definição das impressões desconexas, do protagonista, ao longo do livro. Tal observação é precisa, exata, sendo essa pressa mais um dos meus defeitos.
            Deixando de lado a correria e os acontecimentos mal desenvolvidos, em função da minha vontade exagerada de apresentar o ensaio final, passo agora a me concentrar no surgimento, na formulação e na adaptação do final do livro, que constitui na inserção de elementos e conceitos comuns, que poderiam ser assimilados pelas pessoas. Para tanto, tive de alterar o conceito principal, com o qual realmente me identifico — que foi expresso em sua total dimensão no livro O diário —, inserindo conceitos desenvolvidos por Platão — Anima Mundi, para ser mais exato — e um enfoque mais materialista, que me permitiu até mesmo apresentar o vergonhoso exemplo da gravidade, que encontrei em um dos livros que li, das teorias de Nietzsche e sua vontade de potência. Essas alterações foram necessárias para fornecer ferramentas que facilitassem a compreensão, que, por fim, parece não ter sido alcançada pelas pessoas que leram o livro, que, na maioria das vezes, são incapazes de externar qualquer tipo de interpretação própria com relação ao último capítulo.

A respeito do livro Laer Roma

Olá. Primeiramente tenho de dizer que fico muito feliz que tenha gostado do livro. O fato de o livro ter sido elaborado com um proposito comercial me deixou muito preocupado com relação a uma abordagem mais profunda e especializada daquilo que foi proposto e construído por mim. Tenho que admitir que muitas passagens foram simplificadas e a história simplesmente foi cortada e omitida perante momentos onde os personagens começavam a refletir de forma profunda, assim como a descrição dos personagens e dos ambientes, que se tornaram sucintas e cheias de estereótipos (para fornecer referências generalizadas, que facilitariam a interpretação por parte de todos os tipos de leitores). No entanto, não abandonei minhas ideias para escrever um livro que pudesse ter sucesso comercial - que pudesse agradar a grande massa de leitores-; elas permanecem dentro do livro, sendo apresentadas de forma subjetiva, estando praticamente ocultas dentre as passagens da história, sendo apenas reveladas para alguém com um olhar mais atento e direcionado; para essas pessoas elas se tornam gritantes.
Por meio desta que pode ser considerada uma carta, irei tentar elucidar as passagens que transmitem a minha verdadeira forma de pensar e o verdadeiro sentido do livro. Peço para que depois de tais explicações você releia o livro e me transmita aquilo que você enxergou em sua releitura mais direcionada; ao mesmo tempo, irei lhe enviar dois outros livros que escrevi, que irão ajudá-lo a compreender aquilo que penso, e que adoraria que fosse analisado e debatido por alguma pessoa que fosse especializada no assunto ou que, de preferência, se identificasse com aquilo que foi abordado no livro, podendo, dessa forma, fornecer uma perspectiva mais profunda e real sobre aquilo que tentei desenvolver com muito esforço, utilizando para tanto apenas minha imaginação, que, infelizmente, não pôde contar com experiências profundas, que poderiam me fornecer relações exatas, capazes de fazer com que o livro se tornasse ainda mais crível e bem estruturado.
Antes de iniciar a explicação do livro, preciso falar sobre minha maior referência literária, sendo ela o autor Robert Musil. Tenho de dizer que quando escrevi o LAER ROMA ainda não tinha contato com as obras desse autor; entretanto, minhas perspectivas sobre muitos temas são absurdamente parecidas com as desse autor que tanto admiro, e, após ter contato com tais obras, essa coincidência de pensamentos fez com que eu me sentisse com muita vontade de publicar minhas obras.
Ainda explanando sobre minhas referências literárias, tenho de salientar minha paixão pelas obras de Nietzsche, sendo ele o responsável por fornecer a base de todo o livro, sendo ela a vontade de potência, argumento esse que servirá de fundamento para criticar a metafísica do amor e a manutenção das espécies; sendo essa a principal discussão, o tema principal do livro.
Após feitas as devidas apresentações, irei introduzir dois textos, escritos por mim, que foram fundamentais para a criação do livro. No primeiro texto - que eu gostaria que fosse publicado junto com o livro, mas que foi barrado pelo editor – tento elaborar a verdadeira sinopse, aquela que contém a verdadeira essência do livro e não todas aquelas baboseiras sobre “bom partido” escritas pelo editor Há Ha.

Sinopse do LAER ROMA, escrita por mim:
Laer Roma é um título exótico que representa o conteúdo do livro, que é referente aos padrões de interações pessoais de nossa sociedade atual. O autor Joseph Campbell, em uma de suas análises, apresenta a teoria de que o amor, escrito ao contrário se refere a Roma, condizente à forma institucionalizada assumida atualmente com relação a esse assunto; laer é algo sem sentido, estranho, ligado a algo estatizado e quase que obrigatório; definindo assim a expectativa atual do amor (segundo a concepção geral). Aqueles que enxergam o mundo de um modo diferente, até mesmo ao contrário (como se enxergassem através de um espelho) do que é definido como normal, são os que ainda conseguem interpretar e possuir valores magnânimos em suas vidas.
O livro se refere a um garoto, chamado Lucas, que tem uma visão diferente de mundo (comparado à visão geral). Ele é um garoto de ótima condição financeira, que lida com questões filosóficas, existenciais, e com a ambivalência dos sentimentos. No livro Lucas se encontra praticamente em um estado pôs assassinato do totem (referente às pesquisas de Freud com relação ao complexo de Édipo), onde os valores vigentes deixam de existir e novos valores são integrados, sem mais possuírem relação com uma figura divina e onipotente; sendo o responsável por criar suas próprias crenças e condutas, Lucas define suas interpretações sobre suas sensações e percepções, sendo elas dignas de um ser evoluído, quase como o super-homem descrito por Nietzsche. Essa característica faz com que não recorra à mistificação do antigo pai (que determina condutas e formas de ser), na figura de um ser onipresente como deus. Essas características o permitem viver uma vida intensa, racional, ilimitada e, acima de tudo, real. No livro, essa conduta de Lucas é subjetiva, se caracterizando principalmente pela completa ausência do pai.
A essência do livro se caracteriza por uma crítica à libido sexual, definida por Freud como a base da vontade humana, e refuta os argumentos apresentados por Schopenhauer sobre o sentido do amor. Com relação ao amor (que é a temática do livro), são descritas as experiências e interpretações de Lucas, esse ser humano tido como evoluído, que transmitem uma forma de amar inovadora, definindo uma nova teoria da interação entre os seres humanos e o meio.

O próximo texto foi escrito por mim antes do livro, e serviu como referência, como o caminho a ser seguido por mim durante a história que tentei desenvolver. Esse fato se torna evidente quando me precipito, quando acelero a história, tendo como único objetivo alcançar o final, que eu me propus a externar, e que me fez desenvolver uma história, criar personagens, cenários e um enredo, tudo com a intenção de tornar a ideia mais comercial e atrativa, não sendo discriminada por ser apresentada de modo estritamente teórico e maçante.

Texto que serviu como referência para o livro:
As coisas à nossa volta parecem ser inertes, irrelevantes, não suscitando nada de especial, ou diferente, em nós. No entanto, às vezes nos deparamos com algum elemento que ultrapassa a nossa indiferença e frieza perante as coisas e parece nos atingir violentamente, adquirindo um poder descomunal sobre nós. Esse objeto, que se torna um elemento de suma importância, passa a influenciar diretamente o nosso estado de espírito, o nosso humor. Cada vez que esse elemento se afasta, cada separação forçada, faz-nos sentir uma tristeza profunda, uma redução da potência; assim como cada aproximação do objeto é responsável por uma alegria reconfortante e satisfatória, um aumento da potência.
Entretanto, o objeto que tanto estimamos apenas pode nos influenciar quando se encontra à distância, quando permanece intocável e inverificável. A partir do momento em que conseguimos entender e perscrutar pormenorizadamente o objeto que tanto estimamos, esse simplesmente é desconstruído, perde-se em meio a uma definição embasada em proporções realistas, que refutam tudo aquilo que havíamos imaginado que aquele objeto poderia nos proporcionar.
Após a nossa desilusão inicial, vamos percebendo o quanto nossa alma apenas almeja desejar, ser direcionada a algo, sendo a obtenção dessa algo um acontecimento aterrorizante, desesperador. Então, podemos nos considerar como sendo perseguidores de ideais; para ser mais exato, podemos nos considerar como ciclistas, que precisam estar em movimento, em direção a algo, para que não paremos, atitude essa que muito provavelmente nos fará perder o equilíbrio, nos fará cair.
Mas, mesmo com a nossa necessidade intrínseca de movimento, de ideais, às vezes algumas pessoas obtêm um nível intelectual que não as permitem se desvencilhar da dolorosa constatação de que a vida é totalmente inútil, que nossos ideais são completamente absurdos e nunca nos levam a nada. Nesses casos, de desconstrução intelectual profunda, a vida começa a se assemelhar a um sonho, a um acontecimento distante e sem relação conosco, onde nada mais tem a capacidade de se tornar um ideal, de nos influenciar de forma intensa.
Incrivelmente apáticos e desiludidos, os seres intelectualmente desenvolvidos passam a desprezar as suas atitudes e esforços, que para eles passam a ser considerados como sendo desnecessários. A vida e todos os seus aspectos passam a ser irrelevantes; o intelecto perde por completo a possibilidade de elaborar objetivos inconscientes, cabendo apenas à analise consciente do indivíduo a tarefa de elaborar e se posicionar perante as coisas; essa característica, a princípio, incomoda sobremaneira, por não mais permitir a construção de qualquer tipo de ideal, de meta, mesmo sendo essas elaborações inconscientes e equivocadas, fazendo com que o indivíduo se depare com uma dor profunda e sem fim, que não é amenizada pela construção de ideais e de cenários que afugentam as incertezas e o desespero. Cada novo acontecimento apenas entristece, apenas incomoda. No auge do desespero, o ser racional quer, a todo custo, fugir de si mesmo, por não mais se suportar, por não mais suportar as condições que a vida lhe apresenta.
Esse aspecto raro e perigoso, é o responsável por causar a mais sensível e profunda das mudanças, fazendo com que o indivíduo perca sua capacidade primordial e primitiva de formular sua alma, e adquira uma definição mais refinada e evoluída para os aspectos referentes à sua alma.
Após essa mudança drástica, o indivíduo se torna capaz de formular sua alma tendo como base parâmetros que não possuem relação direta com o próprio indivíduo e seu corpo. Dotada de uma elaboração que se tornou completamente virtual e desprendida dos aspectos corporais, a alma não mais consegue adotar parâmetros limitados, que tenham relação apenas com o próprio indivíduo.
Esse ser racional e evoluído, que atingiu essas condições psíquicas, torna-se capaz de amar, torna-se capaz de valorizar algo externo a ele de forma muito mais intensa do que o modo como valoriza a si próprio.
A capacidade de amar desses seres raros faz com que eles obtenham uma condição parcialmente exata da maneira como as coisas devem ser. Esse cenário de admiração profunda por algo restringe as múltiplas possibilidades que constantemente estão competindo para influenciar nossas ações, nosso jeito de ser e de nos portarmos perante as coisas. Essa característica permite que esses indivíduos se sintam completamente seguros de si e de suas ideias e atitudes.
Durante essa paixão profunda dos seres evoluídos, a ausência de múltiplas possibilidades torna as ações muito mais potentes, precisas; torna a vida mais bem direcionada, mais precisa, mais fácil. A mente não mais se depara com parâmetros múltiplos a serem desenvolvidos, analisados e ponderados, aspecto esse que proporciona uma maior capacidade de concentração e uma calma profunda à mente.
Entretanto, o ser de raciocínio evoluído acaba por desconstruir o objeto que tanto o encantou, que lhe direcionou e que proporcionou tanta satisfação. Ainda possuindo sua estrutura apaixonada e bem direcionada, o indivíduo raro vai desconstruindo o objeto amado. Em sua mente bem direcionada e que não mais possui parâmetros múltiplos e concorrentes, que incitam avaliações e proposições imensuráveis, a desconstrução permite que o indivíduo se depare com o nirvana, com a ausência da alma.
A sensação de êxtase absoluto, de satisfação absoluta, do fim da vontade, da potência máxima, nunca dura muito tempo. A mente se propõe, de imediato, nesses casos, a reconstruir a alma, a posicionar-se perante o espírito.
O retorno dessa experiência rara é sempre transformador. Após conhecer a necessidade mais profunda e primordial do intelecto, da nossa existência, o indivíduo adquiri uma informação que irá fazer com que ele altere, por completo, a forma de analisar e de se posicionar perante as coisas.

Acho que me estendi demais em uma explicação que eu pretendia transmitir de forma sucinta, mas esse é o grande problema, sendo esse problema ainda presente em minha vida; minhas reflexões sobre muitos assuntos me parecem ser intermináveis, fazendo com que seja preciso que eu escreva muitos e muitos textos, sem que com isso eu consiga expressar aquilo que realmente penso e sinto, que ainda permanece incompreensível nas profundezas insondáveis da minha mente.
          Mesmo com essa explicação pela metade, que não relaciona minhas referências com a história construída no livro LAER ROMA, sinto que não devo me estender mais. Eu forneci os textos que serviram de base para o livro e também irei emprestar meus dois últimos livros. Eu ficaria muito satisfeito se você os lesse e me externasse suas opiniões sobre minhas interpretações sobre muitos sentimentos e sensações.